a
HomeMaternidadeRelato de parto: Mayra, 25 anos, normal
Mãe Maysa ao lado do filho Daniel
Mãe Maysa ao lado do filho Daniel
s

Relato de parto: Mayra, 25 anos, normal

A história de hoje é um lindo relato de parto normal. Mayra, de 25 anos, mora no Recife, em Pernambuco, e sonhou muito em viver este momento. Estudou sobre o assunto, foi uma aluna aplicada e no dia 31 de janeiro deste ano, às 20h05, nasceu a sua benção: Daniel, um meninão com 48 centímetros e 3,620 quilos. Teve uma gestação tranquila, horas viscerais de trabalho de parto e um baita susto na hora do nascimento.

Confira o relato de parto na íntegra a seguir e se inspire. Quem sabe você não seja a próxima a contar sua história aqui no blog. Já tem uma história? Então manda para gente no e-mail redacao@bloggraodegente.com.br, com nome, idade e fotos do parto (se tiver) ou do bebê.

O relato de parto da Mayra

“Minha gravidez foi muito tranquila do começo ao fim. Eu não tive problemas de nenhum tipo, nenhuma doença na minha gestação.

Relato de parto: Bernardo, filho da Maysa, recém nascido

O pequeno Daniel nasceu no dia 31 de janeiro deste ano, às 20h05, com 48 cm e 3,620 kq (Foto: Arquivo Pessoal)

Desde que descobri que estava grávida, eu sonhava e desejava o parto normal, tanto que passei a gravidez toda vendo relatos de outras mães. A data prevista do meu parto era 26 de janeiro de 2017, mas eu comecei a sentir as falsas contrações desde o dia 1º de janeiro. Eu fiquei numa expectativa enorme, toda vez que eu completava semana a expectativa aumentava, cada vez mais.

As semanas foram passando e nada. Até que finalmente eu completei as 39 semanas. Completaria as 40 semanas no dia 3 de fevereiro e o meu maior medo era do Daniel não querer vir ao mundo no tempo certo, de ter que ser uma cesariana de emergência. Apesar da minha agonia, já tinha colocado nas mãos de Deus e sabia que tudo ia dar certo.

No dia 31 de janeiro, as 5h30 da manhã, minha bolsa estourou. Eu acordei toda molhada e chamei a minha mãe. Ela queria ir logo ao Hospital, mas eu quis esperar mais um pouco. Às 7 horas fomos para o Hospital. Chegando lá, eu já estava com cinco centímetros de dilatação e já fui logo internada. E eu achando que ia ser rápido porque já estava com cinco centímetros?! Me enganei!

As contratações não estavam tão frequentes, então as enfermeiras me deram um chá de canela e passaram um óleo nos meus pulsos – também de canela – para tentar deixar minhas contrações mais fortes. Para quem não sabe, a canela é um estimulador natural. Mas, infelizmente, não foi o suficiente. Então o médico me botou no soro com a ocitocina e aí começaram as minhas dores, por volta das 10 horas da manhã.

As horas foram passando e nada. 13 horas, 14, 16, 17, 19, e eu já não suportava mais. Eu estava quase desmaiando, desfalecendo, pedindo a Deus que aquilo passasse logo. Nesse hospital que tive meu filho, eles não ficam te tocando direto para não correr o risco da mãe ou o bebê adquirir alguma infecção, mas as enfermeiras ouviam os batimentos do bebê de meia em meia hora. Já não aguentava mais a dor e pedi para o médico fazer o exame de toque. Eram 19 horas, tinha chegado aos 10 centímetros e ele pediu que, quando a contração viesse, eu fizesse força. E foi o que eu fiz por uma hora sem parar. O meu desespero era tão grande que eu pedi para as médicas me ajudarem e elas falavam “vamos lá, já tá perto, tô vendo a cabecinha dele”. Fiz força de novo e nada, e mais uma vez e nada. Só Deus que te dar essa força porque você não sabe de onde vem.

Até que às 20h05, meu Daniel nasceu. Foi quando eu tomei mais um susto: ele nasceu roxinho e não chorou. Meu coração gelou, paralisou. Minha mãe entrou em desespero. Parecia que ele estava morto. As médicas o levaram para outra sala e botaram uma bombinha de ar nele e ele retornou. Finalmente, eu ouvi o choro do meu filho, as lágrimas caiam dos meus olhos sem parar e eu só fazia agradecer a Deus por ter feito tudo certo e no tempo dele.

Meu Daniel nasceu com 48 centímetros e 3,620 kg. Apesar do susto, veio perfeito e cheio de saúde. Para vocês que estão gestantes e sonham com o parto normal, saibam que vale a pena cada dor sentida, cada lágrima derramada. Coloquem nas mãos do Senhor e tudo Ele fará!”

 

Acompanhe todas as novidades do blog pelas redes sociais!!!
Vai lá: facebook, instagram pinterest

 

Leia mais:

A quarentena pós-parto: atenção e cuidados especiais

Relato de parto: Kelle, 24 anos, cesárea

Compartilhe:
Classifique este artigo

Blog Grão de Gente é um bate papo diário sobre o mundo da maternidade! O Blog da maior loja virtual de enxoval e decoração para quarto de bebê do Brasil.

redacao@bloggraodegente.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário