a
HomeGravidezPapo de GrávidaA importância do pai na hora do parto
shutterstock_314725661
shutterstock_314725661
s

A importância do pai na hora do parto

Essa história de que o papai ‘SÓ acompanha’ e de que ‘é TUDO com a grávida’, definitivamente, não procede. Não importa qual tipo de parto você – ou as circunstâncias da vida – escolheu para você ter o seu filho.

O fato é que a importância da presença do seu companheiro, da figura do pai neste momento é inegável. Seu significativo papel na hora do parto é, dentre tantas outras ‘impalpáveis’ funções, transmitir segurança e serenidade a mamãe neste momento que exige muito dela. Um papel que pode ser considerado tão importante quanto o da equipe médica.

A presença do companheiro na hora do parto contribui muito psicologicamente.

A presença do companheiro na hora do parto contribui muito psicologicamente.

Tem pai que fica mais nervoso e ansioso que a mãe e acaba contagiando todos a sua volta, restando para ela a missão de administrar a emoção de toda a família. #táerradoissoaí

Conversamos com a Doula Bruna Rúbio, que é também uma das administradoras do Projeto Partejar Santista, sobre a importância e a influência da figura do pai na hora do parto, o comportamento ideal e, claro, pedimos dicas para ajudar os casais rumo a maternidade!

Bruna conta que o que podemos chamar de ‘o cenário ideal’ deve ser construído ao longo dos nove meses de gestação. Como? Com muita informação!

“É muito comum que eles se sintam deslocados e muito preocupados, achando que não terão qualquer importância no parto e, muito pelo contrário, eles são fundamentais”, ressalta. Para a Doula Bruna, pais envolvidos com a gestação, adquirem conhecimento e, consequentemente, segurança. “O medo acaba quando a informação de qualidade chega. A importância do companheiro se dá em todo o processo de gestação, desde a descoberta, passando pelo pré-natal, na busca por conhecimento até o trabalho de parto, onde ele é o ponto de apoio da parturiente”.

A experiência do médico Veterinário César Infante é uma boa mostra da vida real sobre este assunto. César é pai de um casal de crianças e na segunda gestação de sua esposa, ela optou pelo parto normal domiciliar. Quando soube da decisão da companheira, adivinhem? O medo e a insegurança tomaram conta dele. Ciente, mas ainda não convencido do seu papel neste processo, César foi em busca de informação e conhecimento para poder apoiar sua esposa como ela merecia.

“Li muito a respeito e tive uma boa e esclarecedora conversa com a enfermeira e a médica obstetriz dela. A cada dia eu ganhava mais segurança para assumir meu papel e, no dia D, mesmo com medo e acreditando que eu era apenas um coadjuvante, fiz a minha parte de pai e esposo, em especial quando, no auge das suas contrações, ela me pediu para irmos ao hospital. Foi nessa hora que eu devolvi a ela toda a segurança que ela havia me passado ao longo dos nove meses. Eu acreditava no seu potencial, sabia que ela estava preparada para isso e a fortaleci para que o seu sonho fosse concretizado da melhor maneira possível”, relembra orgulho e muito consciente da sua importância neste processo.

A experiência de Cesar é inspiradora, não é mesmo? Um exemplo bacana de respeito e coragem. Compartilhe com o seu companheiro e mostre para ele o quanto ele é importante na construção desta família!

Compartilhe:
Classifique este artigo

Blog Grão de Gente é um bate papo diário sobre o mundo da maternidade! O Blog da maior loja virtual de enxoval e decoração para quarto de bebê do Brasil.

redacao@bloggraodegente.com.br

Comentário
  • Eu e meu esposo infelizmente não estivemos o nosso direito respeitado,retiraram de mim meu companheiro no momento mas especial e único de nossas vidas,o momento que infelizmente também fez hoje ter sido um parto dolorido em saber que o pai de meu filho o mesmo que me gerou o sonho de minha vida é a dele, nem obteve a chance de dividir comigo aquela nossa realização,mas a vida se segue,temos direitos,mas as fiscalizações e as punições do ministério públicos ainda são devagar de mas,com argumentos ridicularizado feitos por obstetras e diretores de hospitais,Não aceite e de um Basta….

    30 de maio de 2016
  • Eu naão tive esse sonho, ou melhor, o pai do meu filho não assumiu a gravidez e sequer me apoio… apenas telefonava… Enfim… resolvir ser feliz sozinha na minha gestação! Deus é tão maravilhoso que uma cunhada e uma prima engravidaram junto comigo.. fui paparicada pela minha família que me apoiou até a hora do parto! Sou muito feliz com meu filho… Hoje o pai apareceu e compartilha com 23,66% do salario mínimo… acordo judicial.. e aparece as vezes p ver o filho! Vida que segue! sou extremamente completa c meu filho

    1 de junho de 2016
  • Não poderia ter ficado uma pessoa melhor ao meu lado do que meu marido! Fiquei em trabalho de parto por 10 horas e o tempo todo ele ficou comigo, me acalmando, ajudando nos exercícios, na respiração em tudo! Nem comer ele comeu! Só foi tomar banho, dormir ou comer depois que a nossa pequena nasceu! Graças a Deus foi a melhor pessoa.

    11 de dezembro de 2016
  • Tenho dois filhos, e tive a sorte do meu marido me acompanhar nas duas gravidez, desde o pré-natal até o parto, nós mulheres somos forte, porém esse momento é especial para os dois.

    23 de dezembro de 2016
  • Tive meu primeiro bebê e graças a Deus meu esposo me acompanhou desde o inicio, e no dia do parto foi mais importante ainda o seu apoio em todos os sentidos, desde o momento em que soubemos que o bebê ia nascer ele segurou minha mão e me passou toda sua segurança e tranquilidade: resultado: meu parto foi maravilhosamente bem, ter naquele primeiro momento em familia os dois amores da minha vida,,,foi mágico!!

    11 de outubro de 2017
  • Meu marido me acompanhou em todo tempo e isso foi fundamental pra me sentir segura e dar td certo com a chegada do nosso pequeno príncipe. Acordei as 3 da manha com os sinais, arrumei td e partimos pro hospital, gracas a Deus ele nasceu as 9 de parto normal e meu marido acompanhou td.

    14 de janeiro de 2018
  • Bom estou com 31 semanas de gestação, é a minha segunda gestação, e confesso que fico com um pouco de medo. Meu primeiro filho de parto cesariana, e foi super tranquilo. E nesse segunda gestação, tudo indica que será parto normal, não tenho noção de como será. Mais desde já estou tendo muito apoio do meu esposo é de toda a minha família. Creio que no final será só alegria, de poder finalmente ver o rostinho da minha princesa.

    3 de junho de 2018
  • Vou ter minha primeira experiência de ter o pai da minha filha ao meu lado tive um casal, mais em nenhum deles o pai estava presente…somos casados a 20 anos e é nossa primeira filha.Meu marido esta nas nuvens pois queriamos muito essa princesinha ele tem 3 filhos homens do primeiro casamento, estou com 44 anos , gravidez de risco…mais gracas a Deus em Outubro vamos juntos pra maternidade!!que Deus nos abençoe que corra tudo bem.ansiosa pra ver nossa princesinha Elena.

    24 de junho de 2018
  • Meu esposo mim acompanhou no começo a fim ele cortou o umbigo do nosso filho foi muito lindo e muito importante para mim

    25 de junho de 2018

Deixe um comentário