a
HomeBebêComportamentoBrinquedo demais faz mal para as crianças?
brinquedo demais faz mal
brinquedo demais faz mal
s

Brinquedo demais faz mal para as crianças?

Essa pergunta costuma ter uma resposta conhecida: Sim! Brinquedo demais faz mal para as crianças. No entanto, você sabe quais são as questões envolvidas? O blog da Grão de Gente conversou com a pedagoga Camilla Zunega Botelho* para esclarecer alguns pontos dessa questão tão importante na vida de uma família contemporânea. “Muito mais importante do que a quantidade de brinquedos é a qualidade do brincar, explica Camilla”. Leia a matéria:

O desenvolvimento da criança e os brinquedos

Ponto pacífico entre especialistas: é brincando que as crianças desenvolvem suas habilidades e reconhecem o mundo ao redor.

De acordo com Camilla, brincar tem um viés que vai muito além da simples fantasia: “Enquanto um adulto vê apenas uma criança empilhando bloquinhos, para o pequeno aquilo significa experimentar as possibilidades de construir e conhecer novas cores, formatos e texturas”, explica.

Brincar é um processo permanente de descoberta e, para isso, a criança não precisa ter milhares de brinquedos e itens sofisticados. “Elas costumam gostar de brinquedos que desafiam a sua imaginação e os seus potenciais cognitivos”, comenta Camilla. “Os brinquedos de sucata e produzidos junto com os meninos e meninas costumam agradar bastante. Além disso, contemplam o desafio de ter um brinquedo com as suas próprias características”, complementa.

A coordenadora explica que o importante é o ato de brincar e não o brinquedo. “É possível improvisar brinquedos com uma fruta, uma caixa de papelão ou o que quer que esteja à mão”, diz. Ela alerta que cada idade tem suas características na forma de brincar, mas sempre o mais importante deve ser a criatividade desenvolvida enquanto as crianças brincam.

Brinquedo demais para crianças

De acordo com a experiência da Camilla como educadora, ter brinquedo demais é uma questão sociocultural. O perfil dos pais que exageram na compra de brinquedos são os que possuem mais recursos financeiros e pouco tempo para se dedicar a eles. “Não são todos, claro”, observa.

Há diversos motivos para as crianças terem brinquedos demais. Uma das razões é que os pais vêem a possibilidade de realizarem seus sonhos através dos filhos, dando a eles os brinquedos gostariam de ter tido ou suprir a ideia de dar ao filho tudo o que não tiveram.

“Outro ponto que pode fazer com que as crianças ganhem muitos brinquedos é a necessidade de compensação da ausência dos pais, que hoje passam cada vez menos tempo com seus filhos, ou para redimir a culpa por uma bronca dada”, comenta a pedagoga. “Acredito que essa necessidade seja mais do adulto”, completa.

De acordo com ela, muitas crianças querem novos brinquedos sem motivos, às vezes nem sabem brincar com algo específico, mas querem assim mesmo.

Camilla alerta para os brinquedos eletrônicos, como vídeo game e tablets: eles podem distanciar a criança dos momentos de socialização entre os colegas. “Algo indispensável na questão do brincar é a importância que damos ao outro”.

Dicas da profissional

Como educadora, Camilla sugere que os pais avaliem a real necessidade de a criança ter tanto brinquedo, “para que isso não ocorra em detrimento da qualidade do brincar”.

Como mãe, Camilla aconselha que os pais brinquem com seus filhos pelo menos um pouquinho por dia. “Nem que seja cinco minutos, mas que nesse tempo os pais se dediquem totalmente: brinquem e façam o filho se sentir amado e querido nesse momento!”. E lembra: “Nenhum brinquedo vai substituir o amor e a companhia dos pais”.

Fique de olho: influência da mídia

A publicidade para crianças passa a imagem de que a alegria e a realização delas estão atreladas ao fato de possuir o produto em questão. “Além de utilizarem recursos como músicas e cores atrativas para o público-alvo, o número de vezes que a propaganda é repetida contribui para que a criança não tire o foco do brinquedo promovido”, finaliza Camilla.

Quanta coisa está envolvida nessa questão, não é, mamãe?

Pois é. Camilla nos mostra que a qualidade da brincadeira está acima da quantidade ou sofisticação dos brinquedos. Se a criança tiver apenas alguns brinquedos, de tipos diferentes, e souber aproveitá-los de maneira adequada, será muito melhor do que ter muitos deles, semelhantes entre si e parados em um canto da sala.brinquedo demais faz mal

Além disso, é importante ressaltar que se a criança tiver tudo o que quiser ela pode ficar mal acostumada. Isso pode influenciar negativamente seu desenvolvimento social, com outras crianças e com autoridades, como professores e os próprios pais.

Se você é mamãe ou papai de primeira viagem, comece a acostumar seu filho ou filha desde pequeno/a com poucos brinquedos de qualidade, adequados para cada idade e que estimule várias habilidades.

Uma das alternativas é acostumar a criança que presentes são apenas em datas especiais, como aniversário, natal e dia das crianças. Se você tiver amigos e parentes que presenteiam muito seu pequeno (às vezes com o objetivo de conquistá-lo), uma conversa amigável para impor limites pode adiantar. Explique que os pais querem educar de uma forma e os presentes podem atrapalhar e convide-os para brincar junto de seu filho com os brinquedos que ele já tem.

Veja no site da Grão de Gente diversos de bonecos e bonecas que seu filho vai adorar.

Sobre a profissional consultada: Camilla é formada em Pedagogia com habilitação em Pré-escola e Ensino Fundamental, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em 2001. Atua na área da Educação desde 2001, primeiramente como auxiliar de educação, depois como professora e desde 2009 como coordenadora pedagógica da Carinho de Mãe Escola de Educação Infantil, em Cotia (SP). Além de toda experiência como profissional, é mãe do Lucca de 1 ano e 9 meses.

Compartilhe:
Classifique este artigo

Blog Grão de Gente é um bate papo diário sobre o mundo da maternidade! O Blog da maior loja virtual de enxoval e decoração para quarto de bebê do Brasil.

redacao@bloggraodegente.com.br

Comentário

Deixe um comentário